terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A JOANINHA

                    A JOANINHA

Uma vez a Carmita foi à horta, e encontrou uma Joaninha, que voava, entre as couves e as alfaces, quando se aproximou a bichinha saltou, devagar, Carmita, pôs-se de joelhos e começou a falar, perguntando-lhe se ela não se lembrava dela, a Joaninha desconfiada, respondeu que sim, mas estava um pouco assustada e baralhada.
A menina explicou, que era filha do sr. João o dono da horta, com um sorriso a Joaninha lembrou-se, a Carmita era a menina, que sempre que o pai regava,  descalçava-se e chapinhava nas regadeiras. 
    Eu sei que te assusto disse-lhe, mas não é por mal, eu sou grande e tu és pequenina. És pequenina mas muito bonita, essas pintinhas ficam-te muito bem. Também gostava de voar como tu, ir para todo o lado ao sabor do vento,
és livre vais para onde queres. Olha Carmita não é bem assim , eu tenho muitos inimigos desde insectos a pássaros eu sei lá, eles querem-me comer.
Carmita  não queria acreditar que a vida fosse tão madrasta, de boca aberta a menina começou a pensar qual era a melhor maneira de a Joaninha se salvar. Fechou a boca deu uma palmada na testa e disse achei, Joaninha olhou-a apalermada, mas a menina disse, que ficasse tranquila tinha só de ter cuidado e em vez de andar por cima das hortaliças, teria que come-las por baixo e estar sempre atenta aos perigos.
A menina despediu-se até amanhã,  não te esqueças joaninha sempre alerta e viverás feliz.
Joaninha ainda respondeu, não te esqueças de me procurar por baixo das couves.


                          Xtórias da carmita/Nov/09

domingo, 27 de janeiro de 2013

O CARACOL



             O CARACOL

Uma vez a Carmita , foi passear ao campo, e encontrou um caracol, que trazia a sua casa às costas, Carmita riu-se e ele pôs os pauzinhos de fora.
A menina perguntou como ele se chamava, ele disse que era Zé, mas chamavam-lhe Zézito.
Carmita riu-se e perguntou onde ele ia, e ele respondeu, que ia comer umas folhas fresquinhas, ao mesmo tempo que ia passear.
O caracol Zézito, explicou que quando chovia, ele escondia-se dentro da casota, mas assim que o sol brilhava, ele ia logo comer pois estava tudo mais fresquinho como ele gostava.
Era uma vida de encantar disse Carmita, perguntando se valia a pena ele ir passear, pois ele andava muito de vagar, o caracol piscou-lhe o olho e respondeu devagar se vai ao longe, ela encolheu os ombros, sorrindo, e disse-lhe que ele era encantador e todos deviam de gostar muito dele.
Era verdade todos gostavam muito dele, mas ele tinha de ter cuidado, gostar dele todos gostavam, mas alguns de preferência no prato. Carmita  ficou em lágrimas, baixou-se, deu-lhe um beijinho, animou-o, e pediu-lhe para estar sempre em alerta, como um soldado, e sorrindo disse vai, vai caracol, como tu dizes devagar se vai ao longe, e eu vou contigo pois não tenho pressa de chegar.


                      Xtorias da carmita nov/09

O RELÓGIO DA LOJA DA BRUXINHA



                   O RELÓGIO DA “BRUXINHA”

Era uma vez uma loja que se chamava “BRUXINHA”,era o Mundo da Fantasia, cheia de cor e Coisas Giras.
Um dia ao jantar, Carmita começou a contar aos filhos e à mãe, que o relógio da loja, ora andava ora parava, estava cada vez mais maluco. Os filhos riam e a mãe encolhia os ombros e nas costas da filha pôs o dedo na cabeça, como se a filha estivesse maluca e foi-se embora.
João perguntou: - o que é que tem o TIC-TAC ? (assim se chamava o relógio) 
- Não sabes amor? O  meu TIC-TAC, anda para, e anda, porque nele vive o ratinho SEBASTIÃO. ele abriu os olhos e o Pedro, sorria com um olhar maroto.
Carmita começou a explicar, todas os dias, quando saio, SEBASTIÃO vagueia pela loja, salta, pula, brinca com os bonecos e quando está e quando cansado, corre para o  Relógio e vai finalmente descansar, na sua atrapalhação, sem querer dá um pontapé nos ponteiros, e o Relógio para.
Outras noites ele corre, sobe desce, lê os livros, dá beijinhos aos amigos (anjos ,ursinhos e bonecos), senta-se no banquinho, espreita por detrás dos quadros, escreve nos cadernos e quando sente que estou a chegar, corre loucamente para a sua casota, escorrega bate com a cabeça na porta, e os ponteiros voltam a andar, escusado será dizer que as horas estão completamente fora de si.
SEBASTÃO é um rato diabinho, tem o nariz arrebitado, e as orelhas em pé. Ele julga que eu  não sei, mas eu pelo canto do olho vejo ele a espreitar-me.
João e Pedro nem criam acreditar, mas nem falavam,  não fosse a mãe se esquecer da história.
A mãe continuava, ao fim do dia ainda a porta não estava fechada,
ia ele em corrida desenfreada para a brincadeira, começando logo com uma cambalhota. SEBASTÃO é feliz e eu também, porque sei que há vida na minha Loja.
Carmita esqueceu-se de tudo, sentia-se cansada, mas muito feliz
João continuava extasiado, mas não disse nada, via-se a surpresa na sua cara.
Pedro estava pensativo, sentiu ciúmes, como é que a mãe permitia tanto atrevimento.
Após pensar um pouco João jurou que um dia quando fosse “grande” ia ter uma loja como A Bruxinha, com um relógio TIC-TAC, e um rato SEBASTIÃO. se isso fazia a mãe tão feliz, e ter aquele brilho nos olhos e um doce sorriso nos lábios é porque era muito bom ter uma lojinha chamada Bruxinha, era tudo magia, e esta magia, trazia muita felicidade.
                  
                            XTÓRIAS DA CARMITA/JUNHO/2009

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Apaixonei-me


       Tenho lágrimas nos olhos, um nó na garganta,pensei porquê?

        Porquê, sim porquê?

        Estou apaixonada pela minha neta, é tão pequenina, tão indefesa. mas já reclama e grita a plenos pulmões, nasceu uma guerreira.
        Aqueles olhinhos pretos,são duas azeitonas, aquele narizinho impinado, aquela covinha no queixo,aquela carinha redonda, que linda.
        Quando lhe peguei, dei-lhe um beijinho na barriga e por momentos deixou de chorar, é uma paixão.
       
         Estou apaixonada pela menina da minha vida, a minha Margarida.



                      carmita charola Jan/2013

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

A ti Pai

                   A TI PAI
 Quis ir ter contigo
Não havia viagens
Quantas vezes quis partir,
Para onde e para quê?
Quis sentir a tua presença,
Falo de ti muitas vezes.
Ficou o bom que me deste,
Mas ficou o vazio que deixaste.
Quando estou triste,
Quero ir ter contigo.
Não é fácil, mas é possível,
Só que não é justo, sofri,
Os outros sofreram também.
A vida é para ser vivida,
Com cumplicidade, e amor.
Não “OS” posso abandonar.
Quando partiste foi muito triste,
Era a tua hora, seria???
Vou tentar ser mais forte,
Só partirei na minha hora…!
MAS SENTIMOS MUITO A TUA FALTA, A TUA PRESENÇA.
BEIJOS….PAI, SENTIMOS SAUDADES DE TI…….

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

O CHAPÉU COM FLORES

                  O CHAPÉU COM FLORES

Era uma vez uma menina, que tinha um chapéu com flores, tinha a inocência estampada nos olhos, a alegria nas bochechas e o sorriso nos lábios.
As abelhinhas quando ela passa, querem poisar no chapéu, e as borboletas esvoaçam à sua volta.
Ela é feliz, sente-se bonita, e contente, lá vai com o seu cãozinho ao colo, de vez enquanto pula, salta e até corre. As flores saltitam, mas não caiem, pois foi a avozinha, que lhe pregou as flores no chapéu.
A menina chega ao jardim, e os amigos vêm todos a correr ter com ela, larga o cão e começam as brincadeiras, o vento derruba-lhe o chapéu, que fica plantado na relva.
Brincaram toda a tarde. A menina foi a correr para casa, com a inocência nos olhos, a alegria nas bochechas, o sorriso, nos lábios e o chapéu, esse lá ficou plantado no relvado.

       carmita/2013

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

UMA IMAGEM



         Uma imagem, uma simples imagem, leva-nos ao passado.
     
         As recordações são muitas, fica-nos a felicidade de
uma vida vivida, com ternura, que nos deixou uma marca para sempre.

         QUE SAUDADE, QUE SAUDADE


  carmita/JAN/2013

    


         

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

UM NOVO ANO


          Tanta ansiedade, passou o Natal,comentários para aqui e para ali.Os pobres não acabaram e as nossas vidas estão na corda bamba .......

          Ano Novo vida nova, esperança, sempre.Para onde vamos como vamos não importa,há quem tenha a força de lutar e continuar, que Deus os ajude, que o destino os proteja, porque quando o ser humano quer não há quem o pare.

          Vamos tentar sobreviver neste Mundo que é nosso, desisti nunca.
         

                       carmita/JAN/2013