quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Começar de novo



Neste copo de vinho, celebramos o reco meço de uma nova vida.
Começar é começar, recomeçar é começar de "novo"
A vida pregou-nos uma partida, mas não vamos,mas não vamos desistir.
Ao erguermos este copo, projectamos nele as nossas esperanças, este copo
de vinho fresco, vai-nos dar forças para andar, de cabeça erguida e de
peito aberto, que representa a honestidade com que sempre vivemos
tchim...tchim...à nossa.

Carmita/Out/2013

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

UMA SIMPLES HISTÓRIA

UMA SIMPLES HISTÓRIA
    (prisão domiciliaria)


Era uma vez, uma grande, grande amiga. Foi ela que me contou esta história. Já há alguns dias que não nos falamos, isto neste momento, e para o caso, não é o mais importante.
Importante é como uma mulher, “mulher”, fica presa em casa, ao que eu chamei “prisão domiciliária”.
Não é por enquanto uma situação trágica, mas prova o que pode acontecer a qualquer ser humano, que levou uma vida normal, decente, com alguma qualidade de vida, e muita dignidade.
Honestidade e amor ao próximo, manifestou-se sempre de várias maneiras, tanto aos amigos como à família, e a quem lhe pedisse ajuda, houve sempre uma palavra amiga e de esperança.
Passaram os anos e foi ficando adoentada, mas isso não foi o pior, os problemas começaram quando ficou desempregada, sujeita à esmola do estado, chamada fundo desemprego, o qual um dia acabou. Quem ia arranjar emprego a uma fulana de 40 e tal anos, quando tantos jovens estavam como ela e a crise, essa não tinha soluções.
Perante este cenário aquela que esteve disposta e colaborante perante os outros, viu-se sozinha, afastou-se das amigas, pois não queria que elas vissem o seu olhar triste, tinha vergonha de contar a sua vida, até das vizinhas fugia, chegando ao cumulo de despejar o lixo, já muito de noite.
Era triste, não ter dinheiro, nem para um café, para um jornal, optando por ler o tele texto da TV. O telemóvel esse estava mudo, quem não aparece esquece, ninguém lhe telefonava.
Um dia olhou-se ao espelho, o cabelo por pintar, mal tratado, era ela que o cortava, só uma coisa ela não deixou de fazer, foi tomar os seus banhos diários, e usar sempre um creme, mesmo que fosse dos mais baratos.
Dia a dia a sua saúde foi piorando e a vontade de comunicar, era nula. Olhar as lojas para quê, tudo lhe estava interdito.
É claro que há muitas e muitas situações, que prefiro não mencionar.
A pior provação desta mulher, é ter consciência de como vai o Mundo lá fora, sofre pela sua limitação a 4 paredes, mas não se perdoa por ter descoberto que é um ser extremamente egoísta, pois só tem olhado para o seu umbigo.
Devia de ter perguntado mais vezes: -E AS CRIANÇAS SENHOR ?.
A ultima vez que estivemos juntas choramos perguntando-nos porquê?.
Ela ainda espera por um amanhã melhor, mas para quem sabe somar dois e dois, não há duvida, a lucidez ainda faz sofrer muito mais.
Pergunto é egoísmo ?


P.S: este é um simples relato, de uma história que daria um livro cheio de exemplos de vida, que talvez eu um dia tenha coragem para partilhar convosco.


Carmita/Out/2013


terça-feira, 29 de outubro de 2013

PARA TI MÃE





Conhecemo-nos, de uma forma estranha, eu dentro do teu ventre, fui crescendo, e a certa altura, estava na hora de vir ao mundo.
Sentiste a minha pressa, a natureza fez-te sentir, que tinha chegado a hora de pores cá fora, o ser que  à nove meses vivia em ti. Foi aí que se deu o primeiro impacto, tive de lutar, e tu ajudaste-me, não foi fácil, mas cá estamos.
Tu olhaste-me, e como é normal achaste-me linda, e por mito pouco tempo que naquele instante, estive nos teus braços, fixaste-me e se me acontecesse alguma coisa, irias sempre me reconhecer, fosse onde fosse.
Começou aqui a nossa vivencia, os beijos que me deste, o colo, que tive, a tua voz, tudo isto me fez conhecer-te para sempre.
Eu ia crescendo e cada etapa, por a qual passava, mais te ligavas a mim. Nunca mais parou, quando adoecia, ficavas acordada a meu lado, rezando pelas minhas melhoras. Deus foi sempre o elo de ligação entre nós. Quantos sobressaltos não tiveste, quantas vezes , o teu coração não pulou, e te sentiste angustiada, com medo que algo de mal me acontecesse.
Eu ia crescendo, e ia-me libertando e ao mesmo tempo amadurecendo, mas para ti mãe, eu era sempre aquele bebé, que um dia puseste no mundo, ainda hoje te preocupas comigo que eu sei.
Os filhos são a herança que te acompanha para toda a vida. Só te posso agradecer, hoje sou mãe, e sei dar valor, quando me ralhavas, não estavas zangada, mas instintivamente estavas a proteger-me. Eu faço o mesmo e a ti te agradeço o que aprendi, a ser como tu uma “mãe muito especial.




PS:  ISTO FOI O SONHO DA MINHA VIDA, MAS REALIZEI-O QUANDO FUI MÃE

                            Xtórias da carmita/Julho 2009-07-21

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Carmita




Carmita como se sente feliz: toda femenina e cheia de pormenores.Vaidosa? Ou simplesmente mulher...?

 

 

sábado, 26 de outubro de 2013

Era uma vez.....



            Passei por ela, estava mais velha, mas ainda notavam-se os traços de sua beleza.

            Voltei , encontrei-a e notei que a vida tinha-lhe dado a sua chicotada, o brilho tinha-se desvanecido.

            Passado algum tempo, vi-a, estava quase morta.Morta sim, mas com altivez de uma vida, que valeu a pena ser vivida, pis os seus frutos muitos alimentou.

            Aquela árvore viveu e morreu de pé, com a dignidade merecida.


Ps: "as árvores morrem de pé"





Carmita Out/2013

                   

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Lucille Ball



Sorte? Nada sei sobre a sorte. Nunca depositei nenhuma fé nela e tenho receio das pessoas que o fazem. A sorte para mim é qualquer coisa de diferente: trabalhar muito e compreender quando surge uma opurtunidade ou quando não surge. Lucille Ball







quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Alberto Caeiro

É talvez o último dia da minha vida.


É talvez o último dia da minha vida.
Saudei o Sol, levantando a mão direita,
Mas não o saudei, dizendo-lhe adeus,
Fiz sinal de gostar de o ver antes: mais nada.

                                   Alberto Caeiro

Camões

Verdes são os campos

Verdes são os campos,
De cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,
De ervas vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração.

Gados que pasceis
Com contentamento,
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.

              Luís de Camões

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Ao fim do dia

Ontem ao fim do dia tive um acidente.Ninguem se magou.Uma senhora bateu-me no meu carro, não me dei como culpada e liguei 112, expliquei o que aconteceu e passado um bom bocado de tempo veio um carro da policia com 2 policias.Apresentei-me expliquei o que tinha acontecido, um policia ficou a tomar conta do trânsito, o outro ficou connosco e eu pedi ajuda pois era a primeira vez que tinha tido um acidente.Estas palavras são para enaltecer a atenção e a sensibilidade de um jovem agente de transito.Depois da ajuda total no preenchimento dos documentos ouve da minha parte um comprimento e agradeci, fui ter com o outro agente e cumprimentei-o e vi na cara dele o espanto pela minha atitude, dizendo que era a obrigação dele.O policia Tomás teve a preocupação de dizer para ir com calma e não ficar nervosa pois são coisas que acontecem e disse para ter cuidado com a minha coluna, pois tinha observado que eu não estava bem.Bem haja quem faz bem recebendo simplesmente um obrigado.





sexta-feira, 11 de outubro de 2013


EU DESEMPREGADO ME CONFESSO:

TRABALHEI

OBEDECI

NÃO MENTI

NÃO ROUBEI

NÃO CORROMPI

NÃO ME DEIXEI CORROMPER!

POLITICA PERDOA-ME.....


A VÓS MINISTROS(1)
SECRETÁRIOS DE ESTADO
EX-MINISTROS
E A TODA A PANDILHA QUE NOS TEM DESGOVERNADO
 EU PEÇO:

QUE ME DÊ-EM A OPORTUNIDADE DE NÃO “ROUBAR”, MAS SIM DE DESVIAR OU SER CORRUPTO!

EM NOME DE TODOS AQUELES QUE PASSAM FOME, E GRANDES AFLIÇÕES, PARA POR UM PRATO DE SOPA NA MESA,EU OBVIAMENTE
DEMITO-ME???????

P.SEU SERIA NESTE PAIS,  DE QUEM TEM OLHO É REI, -MENOS UM POBRE-MAIS FELIZ????????

                     XTORIAS DA CARMITA OUT/2013



quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Alice Meynel







A felecidade não é uma questão de acontecimentos, depende sobretudo da disposição do espírito. Alice Meynel

E Ela disse:me



Atrás do lado mau da vida ou das coisas más (da vida), se pensares e analisares, encontraras soluções positivas e caminhos inimagináveis, tens de estar lúcido e muito atento

(do livro:e ela disse-me)
carmita/set/2013