quinta-feira, 24 de abril de 2014

Auto estima



             É das coisas mais maravilhosas da vida.

             Quando tinha auto estima , lutei, construi, ajudei, aconselhei, aprendi o que era a vida, era um ser positivo, chamavam-me La Passionaria, ou Padeira de Aljubarrota, devido à maneira como vivia, sempre lutando e desejando justiça social.

              Um dia a Auto estima, que estava em cima, resvalou, rolou, raspou, foi por uma ribançeira, não parou, e continuando a rolar, despencou numa valeta. Aí só há duas saidas, ou ficar sem ela, ou lutar por ela.
               A primeira opção é menos cansativa. A segunda opção, valeria a pena, se depois de lutar exaustivamente por ela, ela um dia não despencaria e rolaria até ficar perdida numa valeta, outra vez.

               Até hoje vivo sem ela, tentando andar com a cabeça um pouco fora de água.
               Mas quanto à Auto estima essa perdia-a e nunca mais a encontrei

       carmita/Abr/2014

                            Carmita/Março/2014