quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

As palavras que roubei



            Eu, que sou feio, sólido, e leal.
    
            A ti que és bela, frágil, assustada,

            Quero estimar-te, sempre, recatada

            Numa existência honesta, de cristal


Cesário verde