sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Palavras que roubei:



                                 Sentir é criar. Sentir é pensar sem ideias, e por isso sentir é compreender, visto que o Universo não tem ideias.

           Fernando Pessoa

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Verdes são os campos

Verdes são os campos,
De cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,
De ervas vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração.

Gados que pasceis
Com contentamento,
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.
 
 
       Luis de Camões 
       

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

A vida passou por elas

    A vida passou por elas, e não mudaram  nada, nem deram pela vida passar, tanto mal disseram, tantas mentiras inventaram, mas ficou sempre a amizade, e a continuidade de dizerem mal dos outros sem nunca olharem para si.

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Balada de neve

Batem leve, levemente
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
. Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
e cai no meu coração.









Augusto Gil

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Para onde caminhamos



                                   Hoje olhei o chão, e estava coberto de folhas castanhas. O Outono está a chegar. Começam as alergias, as constipações, os dias ficam menores, vem a chuva e o mau tempo, e há muita tristeza no ar. Adeus dias de sol, de praia e passeios à beira mar. Dia, a dia caminhamos para  o Inverno e para nosso consolo, o Natal....por muito mal que as familias vivam, Natal é sempre Natal com sorrisos, com lágrimas há sempre um cantinho no nosso coração, onde mora a  esperança de dias melhores.......

       Ps: mas nestes dias, na nossa cabeça, e no nosso coração, existe sempre aquela pergunta: e as crianças senhor, isto é para onde caminhamos...todos os dias das nossas actuais vidas.

                Carmita/set/2015