segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

A vida

a viagem
Quando eu partir, não chorem!
Nasci, era tudo cor-de-rosa,
Depois sofri e doeu muito.
Doeu tanto que não chorei!
Cai e senti a injustiça de cair
Mas não pensem que não ri
Não pensem que fui infeliz
Fui, fui muito feliz…
Por isso
Quando “eu” partir não chorem!
Cantem,  dancem até ao amanhecer
Pensem em mim com alegria.
Nunca perdi a esperança,
Na esperança vivi e sorri
Aceitei, tinha que ser assim,
Nas coisas boas e nas más.
As boas ficaram para sempre
As más são pétalas caídas,
De uma rosa, muito rosa,
Muito viva e muito sedosa,
De seda doce e rogosa,
Como a minha vida,
Mais espinhos que rosa,
Espinhos, são as dores físicas
Sempre presentes, insistentes
Mas não chorem, cantem e bebam
Porque eu vivi, ri, gritei de alegria
Vivi a vida com força e ternura,
Agradeço a Deus tê-la vivido


    carmita/dez/2012