quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

SOBE, QUE SOBE

Sobe, que sobe, garota sobe,
Sobe, que sobe as longas escadas.
Ao fim do dia, já cansada,
Paras...olhas para trás,
E... não vês nada.
Fitas a vida de frente,
Olhos nos olhos, o futuro,
Sentes a brisa suave, e quente.
A brincar com os teus caracóis,
De criança crescida, abandonada.
A vida é desilusão, sem emoção,
É a obrigação de viver, sem nada.
Subiste, subiste, essas escadas.
Cansada sentiste, a chuva,
Fria, muito fria, gelada.
Entre as nuvens, veio o sol,
Que te fez sorrir e aquecer.
Aquele raio de sol, doce e quente,
Poisou leve , suave, no teu rosto,
Trigueiro, lindo e carente.


       carmita/Nov/2013